terça-feira, 17 de março de 2009

Crente tarada...

  • Na época eu estava com sérias dificuldades na faculdade, estudava em Palmas e trabalhava em Foz, cidades do interior do Paraná, que ficam distante cerca de 250km uma da outra e esta distância era um impecilho para meu estudo e as vezes eu trocava serviços com meus colegas no quartel e ficava duas semanas estudando em Palmas. Eu tinha uma vizinha de 17 anos morena clara de cabelos pretos lisos e longos, seios duros e médios e uma bunda arrebitada ao extremo e o único problema era que era evangélica e de uma família fanática e fervorosa. Ao voltar das primeiras 2 semanas de estudo via a minha vizinha próximo de nosso portão e ao cumprimenta-la exclamou! Nossa! Achei que voçê tinha mudado prá lá! E eu retruquei sem segundas intenções. Teria diferença pra voçê se eu tivesse mudado? Ela abaixou os olhos envergonhada e então percebi que eu tinha perdido muito tempo não assediando aquela moreninha que estava tão próxima de minha casa. Pedi desculpa e só assim ela levantou os olhos e me encarou. Foi um olhar cativante, percebi que aquele olhar me reservaria muitas emoções. Começamos a conversar e então pedi que ela entrasse, pois eu estava chegando de viagem e fazia uns 10 minutos que estávamos no portão e nem sequer tinha falado com minha família! Martinha entrou(vou chama-la assim), pois era amiga da família e tinha a mesma idade de minha irmã. Entrei e saudei minha mãe, perguntei sobre minha irmã e fui ao quarto para trocar de roupa, deixei a porta do quarto aberta, pois existia uma cortina separando meu quarto da sala e gritei pra Marta sentar, ela sentou em uma posição estratégica para me observar enquanto conversava com minha mãe. Percebi isso e como eu era bombeiro e ainda tenho orgulho do meu corpo, comecei trocar de roupa e provocar ao mesmo tempo. Ela ficou inquieta quando fiquei só de cuecas, visto que a cortina não escondia quase nada, contraindo as pernas e se torcendo toda. Quando fui colocar a bermuda encarei ela através do fino pano que nos separava somente para ver sua reação. Seu olhar estava cheio de tesão e volúpia, coisa que eu nunca havia percebido, meu pau estava duro como uma rocha ao erguer a bermuda fiz questão que o elástico enroscasse no volume que fazia na cueca. Fui pra sala sem colocar camisa e minha mãe repreendeu. Oh piá(meu apelido em casa) vai colocar camisa ..não vê que a Martinha tá aqui,....Eu sei mãe, mas tá calor e chega que eu já tenho que passar a semana inteira vestido na sala de aula........ e também a Martinha não vai ligar de eu ficar sem camisa. Ela sempre me viu assim.......Claro dona Mina não tem problema não.. eu até gosto de ver o Piá assim.. Falei pra mãe que gostaria de comer pipoca e que iria pra varanda, pois na sala tava um calor infernal. Enquanto a mãe foi pra cozinha Martinha acompanhou-me à varanda e assim que sentamos comentei que ela estava me deixando tarado, foi o que eu disse, pois não podia perder a oportunidade, ela envergonhou-se e ficou quieta, então disse que precisava falar com ela em outro lugar..rapidamente marcamos um encontro próximo à igreja dela, pois os pais dela não deixavam ela sair de casa sozinha. À noite durante o culto dos seus pais permaneci em uma pracinha em frente e não demorou muito ela apareceu, saindo da igreja e como eu estava em um lugar escuro, seu olhar não me encontrou....chamei-a com um assovio e ela veio em minha direção, permaneci sentado e ela sentou-se junto a mim. Sem falar nada beijou-me com tanta vontade que até levei um susto. Nossa não sabia que vc beijava tão gostoso assim. Falei isso pq seus pais eram tão rígidos.....e na sua religião nem assistir tv era permitido. Começamos conversar e ela me disse que o namorado escolhido pra ela não tratava ela bem, que nem à beijava, que já não era mais virgem, mas que ele só faria amor com ela de novo depois do casamento. Senti um alivio e fui enfiando a mão entre suas coxas percebia seu suspiros e ela tremia toda, cheguei à sua calcinha e encontrei o pano totalmente empapado por seus fluidos, afastei-a e cheguei com os dedos na sua chaninha peluda, mas completamente molhada, abaixei para levar minha boca naquela vulva e esta é uma vantagem das evangélicas ...sempre estão de saias! Ao abocanha-la ouvi as primeiras palavras depois dos seu intensos sussurros....-Que delicia...Vai chupa ...que coisa boa ...ai AAAiiii nunca senti isso ....ai estou sentindo um arrepio....continua que gostoso!!!! Chupa mais ...vai tá muito bom! Ahhhhhhhhhhhhhhhhhh Encheu minha boca com seu nectár...senti em minha boca o seu primeiro gozo, pois ela falou que o namorado dela fez uma verdadeira defloração e ela só sentiu dor.... Como a praça estava deserta e estávamos em um banco na escuridão, ergui sua blusa e comecei chupar seus seios e que seios maravilhosos, duros, pontudos com as aureolas inchadas os bicos pequeninhos......fui sugando ora um ora outro queria fazer aqueles seios se transformarem ....não consegui!!!! continuei alternando entre um e o outro.........quando ela pediu para que eu a chupasse de novo...fui as nuvens.... deitei-a sobre o banco e fiquei entre suas pernas, agora em vez de afastar...tirei sua calçinha....posicionei-me e chuapava aquela buça carnuda e subia até seus seios...estava doido de tesão,,, retirei meu pau da bermuda e deixe-o solto...completamente ereto ele cutucava minha própria barriga, sem falar nada.. e ao correr minha boca pelo seu umbigo ...chegando ao seio,,,´´´..com a outra mão encostei a chapeleta em sua buçeta...abocanhei seu seio e ela colocou a boca em meu ouvido e falou baixinho!!!! Põe!! Senti um arrepio percorrer minha espinha...não imaginava que aquela crentinha era tão tesuda!....recobrei dos meus pensamentos e enfiei a cabeça....era muito apertada...passei a resistência....e ouvi novamente.......Mais ....Põe mais....Atolei tudo...senti meu pau tocar em alguma coisa ...parecia uma almofada de carnes macias....retirei e ela pedia pra colocar de novo.....põõõe maaaaaaaaaaaaaaaaais...Atolei com vontade naquela buça deliciosa e quase inexplorada...e o fato de estar em uma praça pública...aumentava mais meu tesão...aquela situação fazia com que eu perdesse o controle....acelerei os movimentos e anunciei que iria gozar....e despejei toda porra acumulada ...nos recompomos e ela voltou pra igreja antes que o culto terminasse e seus pais sentissem sua falta.

1 comentários:

luisoliveiramelo69 27 de outubro de 2014 23:37  

evangelicas taradas me contatem luisoliveiramelo69@gmail.com

Postar um comentário

Esta Página contém posts e comentários.

  

voltar ao topo